quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Balanço Literário 2015

Vamos aos livros que li neste ano de 2015:


*Não contém spoiler.




1 - O Irmão Alemão - Chico Buarque. Comecei o ano lendo essa autobiografia quase ficção. E comecei o ano bem. Livro envolvente, do jeito que o Chico sabe abordar. Não é o melhor dele, ainda fico com Fazenda Modelo, mas é um livro muito bom.

2 - Adultérios - Woody Allen. Sou apaixonado pela simplicidade densa do Woody Allen. Ler seus contos me faz imaginar os filmes. União perfeita à minha modesta imaginação.

3 - O Pintassilgo - Donna Tartt. Fiquei curioso quando a este livro. Li sobre ele na Folha de São Paulo em uma matéria que citava Donna e seu Prêmio Pulitzer de melhor ficção. Fui atrás do livro reticente. Pra minha feliz surpresa, o livro me surpreendeu. Uma trama bem amarrada e com personagens muito fortes.

4 - Feliz ano Velho - Marcelo Rubens Paiva. Reli este livro com muito carinho. Sofri um acidente de carro também há alguns anos. Com mais sorte, fiquei sem sequelas; ao contrário do Marcelo. O livro mexeu comigo de um modo especial. Foi emocionante lê-lo, em que pese a imaturidade do escritor, ainda jovem, e o excesso de linguagem pejorativa.

5- O Aleph - Jorge Luis Borges. São pequenas histórias e todas geniais. Um dos melhores que li do gênero. Borges é o "pai" de uma leva de escritores atuais. Não tem como errar.

6 - A Teoria de Tudo: A Extraordinária História de Jane e Stephen Hawking - Jane Hawking. Como o próprio subtítulo diz, o livro, escrito por Jane, conta a sua história com Stephen. A obra virou um filme aclamado e popular. É uma bela história, sem dúvida, mas senti que faltou um pouco de cuidado na escrita.

7 - Um Pio de Coruja - Chico Lopes. Chico, amigo querido, foi muito feliz ao escrever esse livro e analisar com uma precisão técnica e minuciosa, com pitadas passionais, diversas obras literárias, colocando nos textos as suas visões e sentimentos. São ensaios que valem a pena serem lidos e serve como um bom manual da literatura.

8- O aprendiz de Assassino - Livro I - Robin Hobb. Ganhei o livro de aniversário e o li despretensiosamente. Adorei. É uma trama que flerta com a lealdade, ética e leis. Quero e vou ler as continuações.

9 - Ele está de Volta - Timur Vermes. A sinopse me encantou. Hitler acorda em um terreno baldio no ano de 2011. Atordoado, coloca a sua mente perspicaz para entender o que pode ter acontecido. É possível dar boas risadas lendo o livro, imaginando as cenas bizarras, como a que o ditador é visto como um ator maluco que imitava Hitler, mas sem deixar o tom triste que o discurso nazista carrega. Ouvi falar que vai virar filme. Aguardemos.

10 - Os Olhos Cegos dos Cavalos Loucos - Ignácio de Loyola Brandão. Livro infantil e muito bem escrito. Narra a relação do próprio Ignácio com seu avô. Lembrei muito do meu lendo a história. Ouvi o próprio Ignácio falar sobre o livro na Flipoços. Foi muito bom.

11 - A estrutura da bolha de sabão - Lygia Fagundes Telles. Livro de conto que me prendeu do início ao fim. Livro curtinho que se lê enquanto toma dois copos americanos de café. Li após ler o do Borges, e não tive nenhum choque enquanto a isso. Indico.

*Este ano li e conheci pessoalmente diversos poetas que escrevem o que chamam de Poesia Marginal. São livros que circulam pelos saraus e pelos projetos envolvendo educação e poesia. Tive um grande crescimento tendo acesso a essas histórias, versos e contos. Destaco o livro do Ciríaco, que falarei abaixo.

12 - Te pego lá fora - Rodrigo Ciríaco. Um livro visceral. Que nos dá um tapa na cara. São prosas que narram o cotidiano de escolas públicas e periferias. Há contos que me fizeram tremer. Outros que me fizeram chorar. Em meio ao mar de poesia, Ciríaco se destaca com sua prosa pesada e quente.

13 - Para Brisa - Ni Brisant. Livro muito sensível do Ni, que tive o prazer de conhecer nos saraus. Gosto do modo com que o ele aborda os temas, vez que tem uma pegada sentimental e romântica sobre diversas situações que passam batidas em nossa rotina. É a visão do poeta. O respiro.

14 - Meu Pequeno Dicionário - Ni Brisant. Dizem que somente somos livres quando inventamos palavras. O Ni foi além, criou significados para as palavras; fazendo com o que o leitor se sinta à vontade ao se deparar com respostas escondidas atrás das letras.

15 - Pó & Sia - Rodrigo Ciríaco. Livro modelo. Ciríaco fez um livro para se mexer, desmontar, ler em qualquer posição. É um livro show.

16 - Poucas Palavras - Renan Inquérito. Conheci o Renan em seu trabalho junto à Parada Poética, que é incrível. E lá também conheci o seu som; foi quando passei a ouvir com certa assiduidade o hip-hop. Poucas palavras é um livro bomba, onde os versos são jogados em nossos peitos sem misericórdia.

17 - Suspensivos - Bobby Baq. Um mini livro com poesias gigantes. O Bobby é um poeta querido e singular; uma pessoa da mais pura sensibilidade. Não vou me assustar se o ver despontando como poeta de ponta no país.

18 - Primeiro Corte - Anna Zêpa. Um livro interessante e profundo. Editado pelo selo Doburro, o livro é um presente. Suas poesias são duplicadas e podem ser destacadas. Anna é incrível e acho que deveria haver mais delas por aí.

19 - A Convivência dos Nossos Rastros - Anna Zêpa. Um livro-muro. Anna tem suas poesias espalhadas pela cidade e, em um compêndio incrível, reuniu seus poemas.

20 - Angu de Sangue - Marcelino Freire. Marcelino é a personificação da poesia. Ouvi-lo declamar é uma valsa aos ouvidos. Ou como ele mesmo me disse certa vez: na literatura podemos vencer sempre, botar o mal pra foder. Angu de Sangue deve ser o livro de cabeceira de quem quer ver como o mundo pode ser fantástico. Tive o prazer de estar com ele algumas vezes e esses encontros fazem a vida valer a pena.

21 - Escritório de Pensamentos - Mano Ril. Ril é da poesia marginal e consegue nos fazer pensar fora da caixa. Vale a leitura.

22- Pétalas de Rosa - Jefferson Santana. Jeff é um poeta sorridente que com maestria uniu seus versos em um livro sensível e articulado. Faz-nos acreditar na força da poesia.

23 - Felicidade demais - Alice Munro. A premiada Alice faz jus aos elogios que sempre recebe. Li o livro de uma só vez. Foi um fim de semana atípico e reflexivo. Personagens que se parecem com a gente; naqueles intervalos de sorrisos.

24 - Se eu ficar - Gayle Forman. Li este livro em uma viagem e "achei bonitinho". Tem um quê um pouco apelativo que envolve algo espiritual.

25 - Pra onde ela foi - Gayle Forman. É continuação do livro acima. Li de teima. Mantenho minha opinião sobre ser uma história "bonitinha".

26 - Quando eu fechar os olhos - Edney Silvestre. Um livro excepcional. O próprio Edney me sugeriu começar por ele, quando lhe questionei acerca de suas obras. Não consegui parar de ler um só segundo.

27 - Americanah - Chimamanda Ngozi Adichie. Um dos melhores romances que li este ano. Livro pra ser relido sempre. Sou fã da Chimamanda e o modo com que ela consegue levar sua ideologia para uma história é invejável.

28 - Meu Último Suspiro - Luiz Buñel. Buñel definiu 'Meu último suspiro' como um livro 'semibiográfico'. É foda. Que vida!

29 - Eternidade por um fio - Ken Follet. O último da trilogia do século. Quem acompanha o balanço literário do blog sabe o quanto esperei por essa obra. Não me decepcionou.

30 - A Insustentável Leveza - Milan Kundera. Livro publicado em 1984. Comprei em uma viagem para Curitiba como indicação da minha amiga Carol. Encantei-me. História que prende. Que bate. 

31 - Tratado sobre o coração das coisas ditas - Ni Brisant. Mais uma obra incrível do Ni. Livro de cabeceira que vale a pena ser lido e relido.

32 - Coroações, aurora de poemas - Débora Garcia. Débora é uma simpatia. Conheci-a no Sesc Campinas no projeto Margens, da querida Jéssica Balbino. Naquela madrugada mesmo comecei a ler o livro, e não parei.

33 - Quarto de Despejo - Carolina Maria de Jesus. Chorei durante toda a leitura. Do começo ao fim. O livro é de uma história real. É o diário de Carolina, que narra seu cotidiano, seus medos e suas aflições como residente na favela.

34 - O arroz de Palma - Francisco Azevedo. Francisco aborda o tema familiar de um modo ingênuo e romantizado. É um livro bonito, mas tem que gostar muito do estilo, pra não soar pedante.

35 - Diário de um presidente - Vol. 1. Fernando Henrique Cardoso. Ainda me perguntando porquê li essas mil páginas. Achei que fosse descobrir alguma faceta mais profunda do ex-presidente. Ledo engano.

36 - Ilusões da Alma - Eduardo Gianetti. Excelente. O Padre Fábio de Melo que me indicou como leitura. Como sempre, não me surpreendi com suas dicas. Gostei muito. Quero reler.

37 - O Lado Bom da Vida - Quick, Matthew. Mais um livro de viagem. A sinopse até que é legal. Mas a leitura é rasa.

38 - Quase, um livro para crianças - Daniel Viana. O Dani é um querido que a poesia colocou em minha vida de um jeito especial. Conheci a bela poesia, depois conheci o belo poeta. É um livro delicioso e, quase para crianças, faz-nos enxergar a pureza infantil da vida.

39 - Baseado Em Causos Reais - Daniel Viana. O projeto do Dani segue surpreendendo. Essa coletânea de causos torna a vida menos dolorida.

40 - Que eu era antes de Você? - Jojo Moyes. Neste livro conheci o projeto Dignitas. Fala sobre o suicídio assistido. É uma história muito triste e linda. Vai virar filme em 2016. Vale muito a leitura.

41 - Mulheres Cinzas:  As Areias do Imperador Vol. I - Mia Couto. Último livro que li este ano. Mia sempre me arranca suspiros. É um autor pra se degustar. A África e seus meandros sempre se apresentam fascinantes; familiar.

42 - O Estranho No Corredor - Chico Lopes. Romance do Chico vencedor do Jabuti como melhor romance. Não preciso dizer que é uma obra prima, certo? Chico tem um cuidado com a história; um capricho, que nos faz orgulhosos como leitor.

43 - Outro Cristianismo é Possível - Roger Lenaers. Uma nova visão sobre a religião. Sem levantar polêmica, é um livro forte pra quem gosta do tema.

44 - Alcoólicas - Hilda Hilst. Sem palavras pra Hilda. Sempre a leio e sempre a lerei.

45 - Os Componentes da Banda - Adélia Prado. Adélia me ensina a ser poeta. A cada livro seu, me descubro.

46 - Solte Os Cachorros - Adélia Prado. Repito o que disse acima.

47 - Poema Pássaro - Juliana Meira. Uma poetisa que não conhecia. Editado caprichosamente pela Patuá, o livro que prende e te faz sentir.

48 - Coletânea Drummond. É Drummond. 3 livros de coletânea lançado pela folha, se não me engano. Li em doses homeopáticas, como sempre faço com meu poeta favorito.

49 - Maria - Rodrigo Alvarez. Um livro reportagem que tenta desvendar jornalisticamente os passos de Maria. Não tem apelo religioso e Rodrigo foi muito feliz em sua abordagem. Gostei muito.

50 - Pode pá que é nóis que tá - Rodrigo Ciríaco. Ganhei este livro da Jéssica Balbino e li na mesma noite que ganhei. Impressionante a sensibilidade da obra.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Sorrir

Esse mundo

Almas de lama

Rascunhos

Sono leve

Saber entristecer

A lua

Olhar Complicado

Nó na garganta

Ser. Estar.

Prepotência


Cedo

Hopper

Levantei cedo.
De mãos dadas com o novo dia, amanheci.
Como se o novo fosse um velho conhecido.
Como se o povo, ciente do meu caminho torto, fosse um rosto. 
Um certo caminho pouco. 
Trilhado pelas atitudes pretéritas do futuro quente servido com o pão da manhã. 
Sempre há tempo, insistente fim do dia.
Deito sobre suas regras e desperto um livro em branco. 
Uma página amarela gasta.
Um último suspiro.
Um primeiro choro.


Tadeu Rodrigues
nov/15