terça-feira, 28 de abril de 2015

Ela se foi

Marília Nunes


- Pare de estalar os dedos - ela pediu.
Ele estava impaciente. Trazia consigo uma tatuagem de âncora no braço.
- Nada a ver sua tatuagem. Âncora significa estagnação, coisas presas e paradas. Gosto de movimento.
Ele a fitou como se fosse parte do vento que lhe tocava.
- Não acho que tenha razão. Âncora passa o ar de ser forte, algo robusto, determinado.
- Algo determinadamente parado.
- Ah, se cale.
Ele sabia que voltar atrás não era tão simples.
- Você pode ter escolhido por isso...
- Por isso?
- Pela âncora. Você pode ter escolhido por isso porque é assim que nos vê.
- Isso não tem nada a ver com você.
- Tudo tem.
- Não acho.
Ela tocou seu rosto fraternalmente.
- Acho que acabamos.
- Vai insistir no término?
- Não há outro jeito. Pensei muito a respeito.
Ele ficou, como se estacionar no mar fosse a solução.
Ela se foi feito vela, velejante pela brisa que soprava dentro dela.

Tadeu Rodrigues
abril/2015

Nenhum comentário:

Postar um comentário