segunda-feira, 1 de dezembro de 2014

Balanço Literário de 2014



Vamos ao balanço literário dos livros que li de dezembro/2013 a novembro/2014.

Os livros estão na sequência de leitura.

Não contém spoilers.

1- Jogos Vorazes, Suzanne Collins - Despretensiosamente peguei o livro para ler (acho que pelos comentários a respeito, enfim, pela modinha mesmo). Gostei muito do enredo e de como a história se desenvolveu. É uma trama teen, mas que merece respeito. Gostei bastante, em especial do tom crítico que se assume à sociedade do espetáculo.

2 - Em Chamas, Suzanne Collins - Na sequência iniciei a leitura do em Chamas. Percebi um amadurecimento dos personagens e do modo cativante com que a protagonista Katniss consegue ser uma heroína pura, com suas falhas, inquietudes e que coloca suas dores acima de qualquer romance.

3 - Esperança, Suzanne Collins - Também na sequência li Esperança. Contrariando a lógica de trilogias, consegue ser o melhor dos três. A discussão política ganha força e a guerra, sendo real, é travada; demonstrando a grande evolução da autora junto com a trama.

Ps: sobre o fato de a trilogia ser um plágio de uma obra chamada Battle Royale, li artigos contra e a favor. A autora diz que foi acaso.

4 - Morte Súbita - J.K Rowlings - Nunca li Harry Potter. E essa autora me chamou atenção quando li a respeito do seu pseudônimo revelado (clique aqui). Falaram-me que era um romance policial legal e tal. Enfim, achei fraco e cansativo. Não me envolvi. Acho que Harry Potter deu mais certo.

5 - Alta Finança - Ken Follett - um dos primeiros livros do meu escritor favorito. Ken demonstrou porque sempre foi considerado um bom escritor. Suas histórias são fantásticas e conseguem me envolver de uma maneira sem igual. Escrevo isto em janeiro, ou seja, é provável que em novembro eu já tenha lido o último da trilogia do século. Estou ansioso. (up date: ainda não li)

6 - Do Desejo - Hilda Hilst - reli esse livro pela milionésima vez. É meu xodó e fica ao lado dos livros do poeta Manoel de Barros em minha estante.

7 - Cidade de Papel, John Green - não gostei, mas não tiro o mérito do John em ser bom no que faz e fiel ao seu público alvo. É uma leitura bem juvenil, beirando ao infantil.

8 - On the Road, Jack Kerouac - Li esse livro com quatorze anos. Precisei reler aos trinta para muita coisa fazer sentido. Na estrada retrata algo que vai além da literatura. Ultrapassa a barreira da rebeldia e é o melhor manual beat que há. Sobre este livro falaria posts e mais posts, dias e mais dias. Um dos melhores que li na minha vida.

9 - Livro Sobre Nada, Manoel de Barros - Clássico livro do querido poeta Manoel de Barros. Li-o umas quatro vezes este ano. É de poesias curtas e tem poucas páginas. Infelizmente o nobre poeta se foi, mas deixou muito de si nas vielas poéticas da vida.

10 - Vida,  Paulo Leminski - Três curtas biografias reunidas em um só livro. Bashô, Trotski e Jesus. Leminski não fez relatos biográficos, mais do que isso, explicou o sentimento, o que sabia de cada um e sua relação com eles. É uma bio apaixonada e parcial, feita por um escritor forte e sensível. Livro especial.

11 - Olga, Fernando Morais - Já havia visto o filme (que não gostei tanto) e decidi ler o livro. Não queria que minha má impressão fosse vencida. Acertei. O livro Olga é excelente e mostra os meandros da política de resistência brasileira. Gosto de saber o cotidiano e os entraves que grandes líderes travaram consigo e com demais autoridades. Vale muito a leitura.

12 - Amor em tempos do cólera,  Gabriel Garcia Marquez - O melhor do Gabo que li até hoje. Ele conseguiu passar para o papel toda a verdadeira loucura e sanidade insana do amor; que compreende espera, idealizações e respeito. É incrível como o livro termina.

13 - Bagagem,  Adélia Prado - Adélia está entre os meus favoritos. O que me encanta nela é sua simplicidade e, Bagagem, é um livro simples e gigante. Quem lê-lo entenderá.

14 - Da Minha Terra à Terra - biografia do Sebastião Salgado, por Isabelle Francq - Sempre gostei do Sebastião Salgado e de suas fotos. A bio foi bem escrita, mas funciona mais como um roteiro do que uma história de vida propriamente dita. É bem curtinho, o que impede qualquer aprofundamento maior sobre a vida do fotógrafo.

15 - O Ladrão Do Tempo - John Boyne - O dia que ninguém morreu nas "Intermitências da Morte" do Saramago até pode ter sido usado como inspiração. Mas neste livro apenas o personagem principal não morre. Passa a conviver com sua infinitude na expectativa de um dia ela acabar. Entre as incertezas, aprendeu a domar os certos anos sem envelhecimento, o que lhe possibilitou lidar bem com sentimentos, profissões e maturidade. Gostei muito.

16 - O incrível homem que encolheu,  Richard Burton Matheson - É do mesmo autor de "Amor Além da Vida". Um homem com uma rara doença começa a encolher. É uma novela muito bem articulada e emocionante. Conforme vamos encolhendo com o protagonista, vamos mergulhando em seus conflitos familiares, seus complexos de inferioridade e de impotência. E quando tudo parece perdido, um mundo se abre. Há o filme, se não me engano filmado no final da década de 50, mas não o encontro. Inclusive, se alguém o tiver e quiser me passar, aceito de bom grado.

17 - Trem Noturno para Lisboa,  Pascal Mercier, pseudônimo literário do suíço Peter Bieri - De tanto ouvir falar do filme, decidi ler o livro (como quase sempre faço). Não me arrependi. O escritor, além de nos colocar no centro do que ele julga ser Lisboa, nos coloca na cabeça do professor personagem principal da trama fantasticamente. Vale a observação de um professor português ao amigo Juliano Zappia: "É a Lisboa contada por um suíço".

18 - A Invenção das Asas, Sue Monk Kidd- Trata sobre a escravidão sob diversas óticas. Os capítulos se alternam entre a narrativa de Sarah, menina de família rica escravocrata, e Encrenca, escrava que foi dada de presente a Sarah aos 11 anos. Gostei da narrativa e do modo com que a escritora apresentou o livro, com algumas ressalvas. Livro fácil de se ler e muito envolvente. Quando eu for falar sobre escravidão aos meus filhos, com certeza lerei este livro a eles.

19 - 35 noites de paixão, Dalton Trevisan - Uma excelente coletânea de contos. Livro curto que narra de forma muito divertida e oportuna o cotidiano de casais, homens e mulheres.

20 - O silêncio das Montanhas - Kaled Hosseini. Do mesmo autor de "O caçador de Pipas". Não chega a ser um primor, mas o modo com que a história se desenvolve entre as poeiras familiares e seus conflitos é impressionantemente verdadeira.

21 - Walden, ou a vida nos bosques -  Henry Thoreau. Quem me conhece sabe que Thoureau é meu amuleto. É um livro de libertação. A dele e a minha.

22 - Biografia do Stephen King - Coração Assombrado, Lisa Rogak. Livro muito bom. Mal parecer não-ficção. Stephen aparece como um escritor compulsivo e que se vê preso em seus medos e suas fantasias. Sua esposa é peça chave à sua vida. É um livro para ser relido.

23 - A Livraria 24 horas do Mr. Penumbra, Robin Sloan. É um livro legalzinho. Uma livraria 24 horas que tem como público pessoas estranhas e misteriosas. Acho que faltou aprofundar mais no enredo, e não atropelar tanto como o autor fez.

24 - Memórias de minhas putas tristes - Gabriel García Marquez. Uma novela bem contada do Gabo. É bom ler um livro com um carinho especial pelo autor. Não é o melhor dele, em minha opinião, mas é ele. É um livro despido de máscaras e mostra, ou tenta mostrar, um amor puro em meio a um cenário improvável.

25 - Orfandades -  Fábio de Mello. Conheci o padre Fábio de Mello pelo twitter. Começamos a conversar e ele passou a ser uma figura literária terna e inteligente. Nunca havia lido nada dele e ele me sugeriu começar por esse. Achava que ele apenas escrevia livros religiosos (que não gosto tanto). As histórias são unidas por grande sensibilidade, assim como tenho percebido na sutileza e carinho que o Fábio tem com as palavras.

26 - Na Sala Escura - Chico Lopes. Um excelente manual para quem curte bons filmes. O Chico é um escritor por excelência e cuidadoso. Disseca a arte (qualquer uma delas) com um olhar aguçado e curioso.

27 - O Oceano no fim do caminho - Neil Gaiman. A história poderia ser melhor trabalhada. Faltou profundidade nos personagens e no roteiro como um todo.

28 - A casa do céu, Amanda Lindhout e Sara Corbett. O livro é tão bom que me deu ressaca literária. É um livro forte, triste e, infelizmente, verdadeiro. A vida de Amanda merece tempos e tempos de reflexão. Seja a fome, a desigualdade, a profissão. Seja por pura e simplesmente o amor pela estrada. Esse livro mudou minha forma de lidar com pensamentos inquietantes.

29 - Carrie, a estranha, Stephen King. Não é o tipo de tema que me atrai. Mas Stephen sabe me prender. Ainda mais com esse livro. Lendo sua biografia, pude saber como foi escrito e em qual momento. Soou-me mais familiar em forma.

30 - O livro das ignorãças, Manoel de Barros. Se você não tem hábito de ler poesia, comece por esse livro. É como um sopro de paz dentro da gente.

31 - 1Q84, Murakami. Demorei para ler esse romance. Não me conformo. Demorei muito para conhecer o autor. É singelo, direto, simples e muito perspicaz. Um dos enredos do ano. É o primeiro da trilogia.

2 comentários:

  1. Será minha lista-guia do ano que vem.

    Estella

    ResponderExcluir
  2. Primeiro, parabéns pela assiduidade "literária"! Queria conseguir...
    Vários títulos anotados, outros relembrados do desejo de ler, mas especialmente, um que venho encontrando em vários blogs como indicação "Walden". Só o encontro em e-book e ainda não me animei, só que mais uma vez lendo o comentário tão intenso sobre ele, quem sabe?!
    Beijo.

    ResponderExcluir