quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Crônica quase real - o diário de casa III

Os transeuntes


Pintura de Lisa Fittipaldi

A vida me parece como uma confusa e harmônica trilha sonora.

Trancar-me em um fone de ouvido enquanto ouço algo que me faz viajar entre o céu e o inferno; entre o certo e o errado; entre o beijo e o queijo (só para rimar, como um tradicional mineiro), torna-me, em sensações, mais importante quando o faço olhando as pessoas pelas ruas. 

Experimente. Imagine as pessoas vivendo em um videoclipe enquanto você passeia a esmo pelas calçadas com um fone de ouvido, o melhor filme se roteirizará.

Somos uma fraude, um engano... uma vida.

E se assim penso, qual é o tamanho da fraude que caiu estranhamente na calçada enquanto passeava com seu cachorro? E a mulher que derramou sorvete na cabeça do nenê que carregava em seu colo? E o "eu te amo" dito por um bêbado ajoelhado pedindo perdão à esposa? E os etecéteras?

Fraude por fraude, fico com a que crio; com a que me tira do chão.

Tadeu Francisco
out/13

2 comentários:

  1. Vc escreveu algum livro de cronica? Gostaria muito de ler.

    Abraços

    Flávia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Flávia!
      Infelizmente nunca publiquei nenhuma obra com minhas crônicas e com minhas poesias.
      Mas não é algo descartado.
      Valeu!!

      Excluir