quinta-feira, 4 de julho de 2013

Um dedo de prosa

Sempre quero começar uma conversa com um olhar.
Quando não é possível, arrisco um sorriso.
(...)
Enfim, temos um dedo de prosa;
mas não falo sobre mim, ou sobre coisas que faço.
(...)
Falo sobre o que sinto, que não reflete minha carne.
Falo sobre o plano de não se ter limites.
(...)
Precisamos dormir,
talvez após um olhar.

Tadeu Francisco
jul/13

Nenhum comentário:

Postar um comentário