quinta-feira, 31 de março de 2011

Coisa de pele

Sambista invertebrado,
quando afina a sua pele,
estica o grosso couro
se transformando em cordeiro.
Merecido sentido;
o sentimento do pandeiro.

Tadeu Francisco
mar/11

Ps*: Título da obra "Batuque II – Pandeiro", de Olivar Cunha.

O polêmico desataviado

*

Graças a sua fama,
não precisava avisar quando as perguntas podiam ser feitas.
Bastava responder as primeiras.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Obra chamada "TV Cello" do artista Nam June Paik (1932-2006), criador do que os artistas plásticos chamam de vídeo-arte.

O amor de Tereza


Te amo, Tereza!
Faltei-me em sutileza,
respingando vagabundice de vanguarda.
Servo nostálgico de sua pureza.
Ame-me!
Sou feio, 
mas ponho a mesa.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: quadro "Mulher chorando", uma Aquarela 10x12cm de Luciano Figueiredo.

Seleção musical


Barrado na festa,
desigual.
- Mais som!
- Mas qual?

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: quadro de Picasso, de 1903, "O Velho Guitarrista".

quarta-feira, 30 de março de 2011

A escrita e a fama

quadro Xadrez da Vida © de Isabeluz

Soa perfeito se lhe dou o encaixe das palavras.
Desajeito a rima,Ajeito a vida,
enquanto me jogam 
para lá do tabuleiro.

Tadeu Francisco
mar/11

O diário

quadro de Almada Negreiros

E por não sentir,
Estremeço diante do novo.
Sempre enfermo da cabeça,
padeço do óbvio escancarado:
a sã insanidade do lúcido;
a desgastante loucura,
que depedra e deprime.

Tadeu Francisco
mar/11

terça-feira, 29 de março de 2011

Contraposto


Algum alimento para a minha teimosia,
para a minha tormenta,
que um dia deve vir,
certamente,
virá.
E não só,
virará.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: quadro "Dança da Juventude" de Pablo Picasso, 1961, já utilizado em outros poemas de minha autoria..

Néctar dos homens

Dou-lhe o cenário ideal,
preenchido,
nas sobras,
com o conhecido verde.
Militando em camuflagem;
desaparecido na velha roupa,
torno-me sua miragem.

Tadeu Francisco
mar/11

segunda-feira, 28 de março de 2011

Noção além do mar


Se meu senso espalha por aí
vergões e espadas,
possibilito as dores - fracassos -
em cores sonantes com topázios.
Preciosos bens que não são meus na sua inteireza;
nem seus na sua metade.
Desculpe-me, realeza.

Tadeu Francisco
mar/11

quarta-feira, 23 de março de 2011

terça-feira, 22 de março de 2011

Contínua e pacata


Fosse para ver,
capaz seria.
Não desejaria voltar,
tentar outros caminhos.
Mantendo-se mortal,
tal qual a ânsia do bêbado;
tal qual a fome.

Tadeu Francisco
mar/11

Versos Aguçados


Sê Banzé.
Por menos,
em pé;
ralé.
Por mais fé.
Distintas cores,
diversos pés.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Poema inspirado no blog do amigo ZÉ Walter que você pode conhecer clicando aqui.
*Ps ²: Quadro pintado no final dos anos 60 pelo pintor montesclarense José Narciso - conhecido e lembrado como Zeca Narciso

segunda-feira, 21 de março de 2011

O livro


Faltou o versículo transformador.
Figurantes desfigurados
lembrando-te como agir.
Um manual completo, enviado, reescrito;
diversas vidas ditando o correto e o errado.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Quadro "Menino Lendo", de Charles James Adams ( Inglaterra 1859-1931).

quinta-feira, 17 de março de 2011

Farelo


Era só um negócio me apertando.
Uma fagulha no peito
dissipando meu enfarto.
E a solidão acompanhava a saudade;
que me fazia falta.

Tadeu Francisco
mar/11

Ps*: Quadro "O pequeno-almoço da Rainha no Castelo de Windsor", de 1965, do Duque de Edimburg. Detalhe que na parede desse quadro temos dois quadros do pintor George Stubbs (1724-1806).

quarta-feira, 16 de março de 2011

Vira-lata


Rápido e distinto,
faceiro cão de guarda.
Assegurava o pó.
Malandro,
aprendeu a não latir.
Descia a ladeira sentado.
Cachorro inocente do morro,
sentia-se culpado.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: quadro "Morro da Favela" de Tarsila do Amaral.

terça-feira, 15 de março de 2011

Semblante


Olhos profundos,
arrazoa-me em glória.
Tiro-lhe as imperfeições,
moldando-lhe cicatrizes.
Imperfeita,
perfeita.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Quadro "Mulher", de Di Cavalcanti

segunda-feira, 14 de março de 2011

Impressionismo real


Ela foi lareira, frio, cereja.
Deitou-se brasa,
por toda gente que assusta,
por toda mesa.
Era moderna e solta
como os pincéis,
fazia arte.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Quadro "Impressão, nascer do sol", 1872, de Claude Monet, que representa o início do movimento impressionista.

A morte do punk


Com três acordes, 
acordo-te.
Sem poder fazer você mesmo,
deixam-lhe pouca polga
e raros ossos;
alguns Jello´s e parcos Biafra´s.

Tadeu Francisco
mar/11

Magia Sincera


E de tanto tremer,
encontrei meu encosto.
Outrora
umbanda,
hoje,
meu posto.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Capa do livro "Batuque Samba e Macumba" de Cecília Meireles.

A dor e o Japão

Mesmo se puxarem os meus olhos,
minha dor não criará menos lágrimas.
Estarei entre a natureza dos mortos
e a indignidade nuclear,
enquanto a natureza do verde,
com menos núcleo,
destruirá o fraco lar.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Mais uma charge do grande Carlos Latuff.

sexta-feira, 11 de março de 2011

O maremoto e o rádio


Ouço as ondas
pelo rádio,
pelas ondas,
pelos pêlos.

Tadeu Francisco
mar/11
*Ps: Quadro de Picasso - La baignade.

Quando parei


Quando parei para te ouvir,
não consegui mais soletrar;
dissolvi-me nas suas águas...
foi quando parei de te ouvir.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: Quadro "O Grito" (no original Skrik) é uma pintura do norueguês Edvard Munch (1893).

quinta-feira, 10 de março de 2011

Quando o carnaval acaba

Carnaval (1965), de Di Cavalcanti.

Não ouço mais batuques.
Permaneci intacto, 
respeitável tradição,
De cachaça, cuíca e ladrão.

Tadeu Francisco
mar/11


Descoberta


Esta noite,
descobri-me várias vezes.
Ora anjo, 
ora culpado.
Acordei descoberto;
com a coberta.

Tadeu Francisco
mar/11

sexta-feira, 4 de março de 2011

quinta-feira, 3 de março de 2011

A força das coisas


Assinei um recado respondendo;
a coisa toda sobreviveu.
Benditos incrédulos,
olhem só
a res,
podendo.

Tadeu Francisco
mar/11


*Ps: Candido Portinari, Coluna Prestes, óleo sobre tela, 46 x 55cm, Paris, 1950.

quarta-feira, 2 de março de 2011

O que era para ser comédia


- Tem gente vivendo com muito menos!
Mas não é porque João perdeu a mão,
que não posso chorar quando queimo meu dedo.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: quadro "O vendedor de fósforos" (1920), é uma obra de Otto Dix que está exposta na Alemanha, no Kunstmuseum, em Stuttgart.

Penitência - um conto


Comprou a buzina para ir na reza.
Uma hora de silêncio.
Na capela, o mantra, só à capela.
Se não munisse algo que fizesse barulho,
de nada adiantaria o sacrifício de ficar quieto.

Tadeu Francisco
mar/11

terça-feira, 1 de março de 2011

Pré carnaval


Carnaval do trio, do duo, do não coeso.
É batuque,
é batida;
deixo-te,
sentida.

Tadeu Francisco
mar/11

*Ps: quadro "O Pierrot", de Pablo Picasso.

História cega


Ficaram meus dedos,
nenhuma letra.
Entre o anel e a escrita
nos separamos.
Somos histórias sem falas;
sem folhas;
com falhas.

Tadeu Francisco
mar/11