segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Sobre ser poeta - Voltaire

Provocação. Talvez essa palavra seja a que mais me atraiu às obras do Iluminista  Voltaire (séc. XVIII). Tudo que li de sua autoria  me soou provocativo. Com o uso demasiado de frases de impacto e uma forma clara de expor suas ideias e questionamentos, Voltaire logo seduziu inúmeros leitores.
 
Um ponto que merece destaque é a sua veia política. Ativista e extremamente vivo para questões de controle social, ele soube utilizar da escrita para  levantar questionamentos acirrados e inflamados, fazendo toda uma geração pensar e criticar instituições, associações, a igreja e as normas que pudessem atentar, mesmo que de leve, à liberdade, sempre com o uso da razão.
 
 Às vezes percebe-se um Voltaire visionário, outras, aberto aos diálogos e radicalmente contra o Estado absolutista e a nobreza. Os seus textos constróem severas críticas à igreja, o que lhe rendeu fama e notoriedade. Alguns relatos dão conta de que ele teria se convertido antes de morrer, em 1778.
 
Longe de aprofundar aqui qualquer discussão a respeito, Voltaire possuía um carisma próprio e inteligente. Fica evidente que ele ia contra o controle absoluto da igreja, contra os dogmas impostos e contra seu poder rico e territorial; o que não reflete a discussão em torno da fé e de Deus propriamente, tal como fazia Nietzsche.

Esse envolvimento político falastrão e provocativo, custou algumas prisões e um exílio. Era a favor de que todos os prisioneiros fossem submetidos a um processo justo, e não colocado nas prisões sem direito de defesa, como acontecia. Requeria um estímulo maior à ciência e à razão humana. Não era aceito e compreendido pelos poderosos.

Sua obra é envolvente. Dentre elas, escritas no período de 1718 à 1779, destaco "Édipo", "História de Charles XII", "Cartas Filósoficas", "Elementos da Filosofia de Newton", "A princesa da Babilônia", "Breves contos I, II e III", "O filósofo Ignorante" etc.

Dos contos, gosto muito de "O Carregador Caolho" e "O sonho de Platão"; que, apesar de serem demasiadamente curtos, são extremamente ricos. Voltaire reflete em histórias, com diálogos fortes, toda sua ideia filosófica. Basta começar a ler para entender o contexto vivido e sua sagacidade. Caso alguém queria os e-books, tenho três coletâneas de contos e a obra "A princesa de Babilônia", basta me enviar o email com o pedido clicando aqui.

O vídeo abaixo foi extraído do programa Provocações (nome oportuno ao filósofo), produzido pela TV Cultura, onde Abujamra declama Voltaire:



Tadeu Francisco
out/11

4 comentários:

  1. Também gosto de Voltaire, Tadeu. O vídeo com o Abujamra foi uma ótima escolha. Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Abujamra sempre "provocando". Nada melhor o liga a Voltaire. Abraços

    ResponderExcluir
  3. " A leitura engrandece a alma". Voltaire
    Pois, com essa frase que deixo minha mensagem estimulando a todos que leiam e enobrecem suas almas com os "monstros" da nossa literatura, da nossa filosofia, pois, foram eles que nos precederam e foram os nossos mestres, pois é agora nós que devemos tornarmos os "monstros" da nossa modernidade... Que a literatura, poesia e a filosofia nos abençoe. Por favor não me veja com herege;(risos)... Frei Fellipe da Silva Toledo, OSA.

    ResponderExcluir
  4. Jamais um herege; mas um pensante. Sem bem vindo, Fellipe.

    ResponderExcluir