quinta-feira, 7 de julho de 2011

Cruzada

Obra de Norberto Geraldes
Sem ter espaço,
li sua carta.
Cruzei os dedos.
Descreveu-me...
um nada.

Tadeu Francisco
jul/11

Nenhum comentário:

Postar um comentário