terça-feira, 14 de junho de 2011

Fora do tempo

Obra de Gustave Coubert
Agora que o tempo é outro,
extemporâneo e morto,
quer meu pedaço solto;
deporto.

Tadeu Francisco
jun/11

Nenhum comentário:

Postar um comentário