quarta-feira, 27 de abril de 2011

Nelson Mandela - uma reflexão

Peço licença ao leitor para abrir um parêntese e colocar uma (auto)reflexão e, logo após, um trecho do livro que estou lendo atualmente "Conversas que tive comigo" do Nelson Mandela.

Em algumas dessas reflexões - e na agradável leitura - estou conhecendo um pouco das fragilidades que o próprio Nelson Mandela apresenta, o que o torna menos político e mais homem.

Na cela, em 01°/02/1975 (ficou preso de 1962 a 1990), escreveu uma carta para a sua esposa na época, Winnie Mandela (trecho extraído no início do citado livro):


"... a cela é um lugar ideal para aprendermos a nos conhecer, para se vasculhar realística e regularmente os processos da mente e dos sentimentos. Ao avaliarmos nosso progresso como indivíduos, tendemos a nos concentrar em fatores externos, como posição social, influência e popularidade, riqueza e nível de instrução. Certamente são dados importantes para se medir o sucesso nas questões materiais, e é perfeitamente compreensível que tantas pessoas se esforcem tanto para obter todos eles. Mas o fatores internos são ainda mais decisivos no julgamento de nosso desenvolvimento como seres humanos. Honestidade, sinceridade, simplicidade, humildade, generosidade pura, ausência de vaidade, disposição para ajudar os outros – qualidades facilmente alcançáveis por todo indivíduo – são os fundamentos da vida espiritual. O desenvolvimento de questões dessa natureza é inconcebível sem uma séria introspecção, sem o conhecimento de nós mesmos, de nossas fraquezas e nossos erros. Pelo menos – ainda que seja a única vantagem – a cela de uma prisão nos dá a oportunidade de examinarmos diariamente toda a nossa conduta, de superarmos o mal e desenvolvermos o que há de bom em nós. A meditação diária, de uns 15 minutos antes de nos levantarmos, é muito produtiva nesse aspecto. A princípio, pode ser difícil identificar os aspecto negativos em sua vida, mas a décima tentativa pode trazer valiosas recompensas. Não se esqueça de que os santos são pecadores que continuam tentando.”

Figuras como essas são importantes e fundamentais para o desenvolvimento social de um bairro, de uma cidade, de um país e do mundo. Não acho que valha a pena nos fecharmos aos sonhos pessoais e fazermos deles pequenas conquistas em busca somente de uma auto-satisfação. Se temos voz, podemos ir além, para um dia olhar para trás e ver que tudo que se viveu foi uma grande história, que valeu a pena e que serviu de tinta para outros livros reais.

Tadeu Francisco
abr/11

Nenhum comentário:

Postar um comentário