segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Arvoredo


Foi quando senti a farpa arranhando o meu rosto,
que remei para entender o corte.
Sobrou-me ignorância em meio a navegação.
Nadei rente,
sem mais,
na negação.

Tadeu Francisco
dez/10

Nenhum comentário:

Postar um comentário