quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Uma carta para Marcos Scheres

Marcos Scheres foi um amigo, um irmão. Faleceu cedo em decorrência das drogas. Senti raiva dele. Senti raiva do pó. Esta carta foi apresentada no Festival de música Expressão Livre de Monte Sião/MG no ano em que ele desistiu da vida:

Foi tudo tão simples como um sonho tradicional,
como um começo de novas experiências, atitudes e de uma ousada ideologia.
Foi tudo tão mágico, rápido e, confesso, um tanto dolorido.
Por uma última vez ele tentou insistir na sua liberdade.
Insistiu como um Homem forte e capaz de construir uma história digna de orgulho.
Só que não vi um final feliz.
Eu chorei.
Este homem encontrou obstáculos que sugeriram para ele derrotas e, como não as admitia, se foi.
Um pedaço de mim também se foi.
Fiquei menos sorridente e menos músico.
Alguns acordes voltaram.
E ele voltou nos versos e em forma daquele sonho tradicional.

Tadeu Francisco
(não datado)

3 comentários:

  1. Saudade desse tempo também!
    Toda história, em um minuto!
    E de fundo um belo solo de guitarra!

    ResponderExcluir
  2. Grande Marcos, bons momentos!

    Guilherme Assoni

    ResponderExcluir