segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Crônica de segunda - o último som



Aprendi a tocar violão ainda jovem. Ensinaram-me os acordes, não a música. Foi ruim prensar os dedos contra o aço resistente daquela caixa de madeira. Mas o som  se calejou em minha pele e logo me fez esquecer a dor.

Assim, meu som calejado, mais do que técnica, resguardou-se em uma experiência quase-alma. Não compreendia os ateus que se formavam nas academias de arte. A música era minha religião e meu Deus, com todos os seus pecados e infernos.

O segundo passo da minha seita intimista foi sair de mim. E assim fiz quando compus minha primeira canção; acabara de fazer 78 anos. É, demorou um bocado.

Minha fonte da juventude, quase seca, foi umedecida pelo tempo que esqueceu de acontecer. O acorde me lembrou que ser músico, assim como ser poeta, é fácil quando se é jovem. O desafio é compor após os 70, olhar para o muro gelado da vida e dele extrair notas.

Tudo bem que a velhice dispensa malícia, é o bônus que o caminho nos dá por sermos velhos.

Sei que logo morrerei, mas morrerei imortal; como uma nota de guerra na imprensa; como o impensado término da família real; como eu querendo ser som, querendo ser você.

Minha letra falava sobre amor, e sem ele a música não tinha razão de ser. Condição sem a qual a arte não se movimenta. E se me movo, mesmo que manco pelos ossos doídos, é porque você ainda me faz amar.

Acho que não comporei mais.

Minha música reacendeu o fim.

Tadeu Rodrigues
10-11-2014

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Rubor e rumor - sobre céus alaranjados

A amiga Silvana Quadros ilustrou incrivelmente bem uma poesia minha. Recebi com muito carinho essa homenagem. Ela conseguiu captar bem a essência dos versos de forma sensível e charmosa.

Silvana trabalha com 'Motion graphics'. Pra quem não sabe (eu não sabia) nada mais é do que, segundo ela, o grafismo em movimento, imagens temporizadas em textos, fotos, ilustrações. Quem quiser conhecer mais seu trabalho, só clicar aqui, ou contatá-la através do asilvanaq@gmail.com Vale a pena!

Clique na imagem para ampliá-la.



sexta-feira, 31 de outubro de 2014

O cheiro

Autoria desconhecida

Guardava o pecado 
em seu maior frasco de perfume. 
Uma gota por dia. 
Cheirava a perfeição.

Tadeu Francisco
out/14

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

segunda-feira, 15 de setembro de 2014

Trova

Pintura de Ruben Belloso

Sedentos por vozes, 
por vezes, 
por trovas.

Tadeu Francisco
set/14

Suspenso

Andrew Salgado

A visão já não me obedece.
Estamos na velha batalha de ser.
Qual é aquela figura disfarçada de pano?
Estamos espadas e antigas armaduras.
Quem é o nobre cavaleiro montado naquele tronco?
Estamos jardins suspensos e paraísos desérticos.

Ora, o ar pode ser finito, mas só se você quiser.


Tadeu Francisco
set/14

Daqui - novo dia

Andrew Salgado

Escrevo daqui,
Entre as miragens,
Como se a letra fosse 
Um mar de nada
E o começo de tudo.


Tadeu Francisco
set/14

quarta-feira, 10 de setembro de 2014

A Crônica Eleitoreira - Nobre filho da puta



Interrompemos nossa programação normal. Pode ser só uma visita.

 
Nobre filho da puta, a que devo a honra de sua visita?
Já não temos mais comida, mas a água mineral é farta.
Limpe os pés antes de entrar na sala, pois os donos não gostam que sujem o tapete.
O sofá é de madeira, porém aconchegante. 

(...)
 
Fale mais sobre a mesma coisa de ontem, talvez possamos manter tudo como está, de um modo diferente.
Só não desonre minha saúde e minha educação, são as coisas que me restam.
Vamos, nobre filho da puta. O que exatamente você deseja? Não tenho tanto tempo assim.
É ouvido que você quer? Pra ser sincero não te ouço tanto, falta-me tato.
Precisa de alguém com mais sentido?
 
(...)
 
Pelo menos fique em silêncio enquanto lhe falo sobre a intimidade da minha família.
O Aparecido morreu, mas não sem antes engravidar a Vera.
Os três filhos de Maria foram batizado só agora. Que Deus tenha compaixão.
 
(...)
 
Pode ir agora, nobre filho da puta.
Amanhã lhe espero, quero aproveitar sua presença que insiste em me dizer que é gratuita.

Tadeu Rodrigues
set/14